Aumentar Letra Diminuir Letra En Español
Adriana Barbosa Ferreira

O primeiro depoimento é de uma adolescente de 15 anos e sua vivência e otimismo na luta contra a neurofibromatose. Seu exemplo é de uma coragem extraordinária. É para nós um grande orgulho apresentá-la e batalhar para que seu livro seja publicado. Parabéns, Adriana (Drika), linda pequena escritora. Sucesso na sua carreira.

Olá, meu nome é Adriana Barbosa Ferreira, tenho 15 anos de vida, moro em São Paulo e sou escritora. Amo escrever!

Sou Portadora de NF tipo 1, e descobri isso por volta dos doze anos. Faço acompanhamento na paulista com a Fernanda, e no Hospital do Câncer com o Kovalsk (acho que é assim que escreve...Sei lá). Sabe, descobri que tenho NF de um modo, vamos dizer assim, “estranho”; Eu estava na boa fazendo lição de casa quando a empregada, Sara, disse assustada: “Adriana! Que é isso no seu pescoço? Caxumba? Não está doendo?”.

“Não! Estou ótima!”, - disse dando risada.

A Sara não perdeu tempo e ligou para minha, que é médica pediatra - gastro-infantil, Dra. Lia Cristian Lissande Barbosa. Minha já tinha uma suspeita de eu ter NF, mas todos os médicos bons que ela me levou diziam que era neura dela, que eu não tinha nada... Mas é claro que não é normal uma garota, como a que voz fala, ser baixinha, ter manchinhas pelo corpo todo e ter entrado na puberdade aos nove anos!

Só fui descobrir mesmo que tenho NF quando passei com a Fernanda. No meu caso, a NF é bem levinha, eu tenho manchinhas, algumas bolinhas, que são tumores, os meus estão nos nervos.
Bom, a dita bolinha no meu pescoço, era nada mais, nada menos que um neurofibroma infeliz. Não doía, eu não sentia nada, mas a bolinha era meio grandinha e gorda. É claro que eu tive que operar, mas antes eu tive de fazer um exame o qual eu odeio muito, a Ressonância Magnética, que é um raio-x sofisticado com imagens ótimas e sofisticadas. Sem comentários... Esse exame é muito chato e deixa-me com falta de ar...

Bom, da primeira vez que eu operei foi com o Hugo, colega da Fernanda. Vou ser bem sincera, esse cara é péssimo! A bolinha que estava no meu pescoço, lado direito, ao ser removida, tornou a minha vida um ano de desventuras em série!

Fala sério, o cara nem soube dizer o que ele havia feito! Ele pensou que havia feito uma vagotomia, que é quando se remove o nervo vago. Por causa disso que fazer um exame doloroso, eletro miografia, e foi descoberto que meu nervo vago estava lindo! Os nervos que haviam sido lesionandos foram o laringo-recurente, laríngeo superior e as minhas belas cordas vocais.

Sim, nessa cirurgia minhas cordas vogais foram literalmente massacradas! Eu fiquei quase muda! Um ano e meio de fototerapia deixou minha voz maravilhosa! Mas devido ao fato de minha voz ter ficado um horror, meus colegas não tiveram pena da minha pessoa e me zoaram muito mesmo. Mas não foi uma zoançãozinha boba, foi sério!Havia duas classes que me perturbavam direto!Eu cheguei a brigar na diretoria por causa disso. A minha moral na diretoria era total, mas a diretora e a coordenadora eram duas ridículas que não fizeram nada em relação a isso. Eu cheguei a bater num garoto, mas foi porque ele meteu a minha mãe na briga. Apesar de eu ter batido nele, não levei bronca do professor, nem nada.

Fala sério, essa escola era péssima!Era uma escola católica horrível que não sabia controlar os alunos... Parem terem uma idéia, eu odeio ed. Física então eu e minhas amigas marcávamos presença com a professoras e subíamos escondidas para a sala de judô. A professora havia nos pegado várias vezes, mas nunca fazia nada. Nunca levei nem sequer um bilhete na agenda.
É claro que minha sabia disso, afinal eu contava tudo para ela. Eu queria sair daquela escola a qualquer custo! Um ano de sofrimento... Isso me deixou traumatizada por um bom e longo tempo.

Depois dessa série de desventuras, com treze anos, eu cursei a sétima série, e foi um ano ótimo! Minha voz já estava linda, alto, poderosa, a até gritar eu conseguia. Outra coisa que ajudou a minha voz fazer teatro! Eu aprendi a impostar a voz, respirar usando o diafraguima, entre outras coisas. Esse foi um ano maravilhoso! Apesar de eu ter NF, sou muito inteligente, e a partir da sétima série eu comecei a sempre estar entre os melhores da classe!Minhas notas sempre eram um das mais altas! Os professores me amavam!

Eu ganhei dois prêmios no segundo bimestre, o prêmio de melhor trabalho de ciências e de melhor trabalho de artes. No terceiro ganhei esses dois prêmios de novo e no terceiro ganhei o prêmio de melhores trabalhos de Historia e Geografia. Na sétima série eu percebi o meu verdadeiro valor!Comecei a me achar linda, inteligente e poderosa!Comecei a conquistar qualquer coisa que quisesse!

Passar a ver que sou muito inteligente foi maravilhoso!Eu peguei gosto de estudar!Eu amo estudar!Eu amo aprender!As minhas notas são de sete para cima! Eu mesma aprendi a me cobrar, eu aprendi a ser boa aluna! Quando há uma prova eu sempre tiro a nota que eu quero ou mais.
Bom, às vezes eu pegava pesado comigo mesma e passava cinco horas estudando direto, pois sabia que todo o meu esforço valeria a pena e as minhas notas altas me deixam feliz.

Nesse ano eu descobri que tenho um desvio de válvula mitral, um problema cardíaco que dá taquicardias e cansaço por esforços como subir as escadas. Suspeita-se que isso tenha a ver com NF, mas em todo caso eu estou tomando remédio para controlar isso. Tudo bem, esse problema também não é nada demais... Se bem que teve uma vez em um acampamento que eu tive de subir uma ladeira de terra gigante as cinco da manha sem tomar café na manha! Dessa fez eu passei muito mal! Os monitores mandavam o pessoal correr, mas eu não conseguia correr! Eu corro alguns segundos e já fico cansada!Para complicar a minha situação nessa subida, eu estava com uma mochila pesada nas costas... Eu estava prestes a desmaiar, mas fui salva por um monitor que me segurou.

A minha oitava série também foi ótima! Eu conheci as minhas melhores amigas, boa parte daquele trauma da sétima série estava sendo superado, eu me sentia mais inteligente, bonita e poderosa. Minha saúde também estava maravilhosa!Tive uma viagem de formatura linda, e alias, eu dei meu primeiro beijo nessa viajem!

Tem uma coisa que sempre odiei, que é ed. Física. Para mim essa aula é uma tortura!
E no lindo ano de 2007 eu ganhei uma linda e fofa dispensa dessa aula horrorosa! Eu odeio jogar bola, correr, ficar toda suada, melada... Eu não me esforço nessa aula... No começo desse ano eu comecei a escrever o meu primeiro livro, Diário de Rabiscos, que conta a historia de uma garota portadora de NF! Eu baseei a historia em mim, provo nesse livro que mesmo com NF é possível ser uma pessoa inteligente, poderosa e linda.

Mas também em 2007 eu passei por outra cirurgia no pescoço, lado direito. Essa cirurgia foi em cima da outra. Mas dessa vez o médico que me operou é muito legal, o Paulo Kovalsk do Hospital do Câncer. Ele é muito bacana! Quando eu tive que operar, eu pedi para ele tentar fazer a cirurgia em cima da outra, usando a cicatriz que eu já tinha, pois dessa vez o neurofibroma estava mais em cima, e eu não queria que cortassem o meu rosto! Eu admito que sou muito narcisista, eu me acho muito linda e fico me admirando na frente do espelho... Desculpem-me, mas eu não queria um corte no meu lindo rosto! Eu não sofro para tirar as sobrancelhas e o meu cabelo custou muito para ficar a beleza que é hoje! Ocorreu tudo bem na cirurgia, mas dessa vez feito vagotomia, e suspeita-se que meu nervo laríngeo superior já era também, esse nervo é o responsável pelo agudo da voz, apesar disso eu tenho meus tons agudos.

Em conseqüência dessa cirurgia, eu agora estou com um pouco de dificuldade para engolir. Eu já estou muito melhor, mas nas primeiras semanas foi bem difícil para comer, tanto que eu fiquei um tempo só tomando sopa e bebendo água. Conseguir beber água, sem engasgar, foi algo que impressionou os médicos! Eu havia passado por uma cirurgia que comprometeu minha deglutição, mas mesmo assim eu tomava água. É claro que eu tomava em goles pequenos, para não engasgar, mas o que importa é que a água descia muito bem!Não foi preciso tomar água com aquele espessante nojento!

Por causa dessa cirurgia eu estou perdendo esse ano de aula. Só volto para a escola em 2008, ou seja, ano que vem. Nisso tudo o meu livro já estava pronto! Eu estou fazendo fototerapia, mais uma vez, e estou cada vez melhor.

Uma coisa que quero enfatizar é: Não importa se você tem NF. Isso não vai te impedir de ser bom, aluno, de cantar, de ser... Isso não te impede de nada! É claro que você tem que se cuidar mais e tomar cuidado para não deixar os tumores crescerem demais. Digo isso, pois vejo muitos jovens que não tem doença alguma e estão se perdendo nas drogas, outros são relaxados e vão muito mal na escola a tal ponto chegar a ser vergonhoso para os pais.

Eu penso muito nisso: Se eu que tenho NF fui inteligente e determinada, e esses jovens que não têm nada jogam a vida fora, vão mal na escola... Isso prova que nos portadores somos capazes de feitos grandiosos!Se nos esforçarmos, podemos fazer a diferença!

Afinal, não podemos deixar a NF tirar o nosso prazer de sermos felizes, né? Fala sério!

Estamos vivos, sobrevivemos dos nossos traumas e estamos aqui firmes e fortes!

A única coisa que pode impedir um portador de ser feliz é ele mesmo. Se acreditarmos que podemos realizar nossos sonhos e romper barreiras, nos podemos, e vamos!

Querer é poder!É isso ai minha gente! Leiam o meu livro, ta bom? Tenho certeza que vão gostar, pois eu o escrevi em uma linguagem muito gostosa, jovial e com muito amor e carinho!
Beijos borrados de batom para todos!

Carinhosamente,
Adriana Barbosa Ferreira
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
 
Copyright © 2005 - 2017 CNNF Brasil. Design by: Nieaa / EAA Team / ZPP